Partilhe comigo e com todos os visitantes deste espaço, a sua opinião sobre empreendedorismo, capital de risco, inovação, gestão, business angels, ideias de negócio, balanced score card, planos de negócio...
Terça-feira, 28 de Setembro de 2010
Como um ex-presidiário levou a empresa familiar ao sucesso

 

Esta história que agora partilho convosco foi notícia na Revista Brasileira “Pequenas Empresas, Grandes Negócios” e tocou-me particularmente. Em primeiro lugar, porque possuo uma panificadora, em sociedade com alguns dos meus familiares. Em segundo lugar, porque um dos primeiros projectos da GesEntrepreneur foi precisamente o ensino de empreendedorismo nas prisões. Tivémos o prazer de ver ex-reclusos a iniciarem uma nova vida através do empreendedorismo, sendo hoje pessoas de sucesso e cidadãos empenhados e comprometidos. Este foi dos projectos que mais marcou a nossa equipa, pela transformação diária que víamos nas pessoas e pela capacidade fantástica que têm de mudar e se tornarem role models. Espero que gostem desta leitura!


“Quando deixou a prisão, tudo o que Dave Dahl queria era uma nova chance. Mas ele conquistou mais: levantou a empresa do irmão e criou uma marca de sucesso.


Para Glenn Dahl, nada é mais importante do que a família. Foi por isso que, em 1989, ele decidiu dar uma nova chance ao irmão mais novo, Dave, e permitir que ele trabalhasse na sua padaria — a NatureBake, com sede em Portland, Oregon. Aos 26 anos, Dave era viciado em meta-anfetaminas e já tinha uma longa história no crime. Mesmo assim, Glenn deu sinal verde para que ele ajudasse na produção do pão orgânico da casa. A NatureBake estava na família desde 1955 — alguns anos antes, Glenn havia comprado o negócio do pai, James Dahl.

 

A boa vontade de Glenn não durou mais do que uma semana: depois que o irmão apareceu na padaria drogado e armou uma briga com um cliente, ele decidiu mandá-lo embora. Furioso, Dave decidiu se vingar: arrombou a casa de Glenn e roubou uma pistola. “Forcei uma cômoda e um armário que estavam trancados”, conta. “Queria que ele soubesse que era eu quem tinha invadido sua casa.” Glenn soube imediatamente. Afinal, havia anos que lidava com o irmão problemático — desde os tempos em que ele ainda era um adolescente retraído e cheio de acne. Naquela época, Glenn chegou a abrigá-lo em sua casa, e foi o primeiro a socorrê-lo quando Dave tentou se matar, esvaziando o armário de remédios. Glenn o amparou, levou-o ao médico e o admitiu ao trabalho no dia seguinte.

 

Os esforços de Glenn para ajudar o irmão foram em vão. Nos anos 90, Dave voltaria a se envolver com o tráfico de drogas — no total, ele seria condenado seis vezes, por assalto, fuga da prisão, tráfico de substância proibida e roubo à mão armada. Em seus piores dias, ele costumava guardar uma espingarda dentro de sua capa de chuva e esconder meta-anfetaminas embaixo do capô do carro. Nas fotos dos arquivos policiais, ele parece ameaçador. Ao vivo, a sensação é ainda mais forte: Dave é um sujeito grande, musculoso, com 1,80 m de altura e olhar penetrante (na foto). Até mesmo seu irmão mais velho admite que ele é “uma pessoa extremamente impositiva. Quando ele fica irritado, pode ser assustador”.

Para Glenn Dahl, nada é mais importante do que a família. Foi por isso que, em 1989, ele decidiu dar uma nova chance ao irmão mais novo, Dave, e permitir que ele trabalhasse na sua padaria — a NatureBake, com sede em Portland, Oregon. Aos 26 anos, Dave era viciado em meta-anfetaminas e já tinha uma longa história no crime. Mesmo assim, Glenn deu sinal verde para que ele ajudasse na produção do pão orgânico da casa. A NatureBake estava na família desde 1955 — alguns anos antes, Glenn havia comprado o negócio do pai, James Dahl.

 

A boa vontade de Glenn não durou mais do que uma semana: depois que o irmão apareceu na padaria drogado e armou uma briga com um cliente, ele decidiu mandá-lo embora. Furioso, Dave decidiu se vingar: arrombou a casa de Glenn e roubou uma pistola. “Forcei uma cômoda e um armário que estavam trancados”, conta. “Queria que ele soubesse que era eu quem tinha invadido sua casa.” Glenn soube imediatamente. Afinal, havia anos que lidava com o irmão problemático — desde os tempos em que ele ainda era um adolescente retraído e cheio de acne. Naquela época, Glenn chegou a abrigá-lo em sua casa, e foi o primeiro a socorrê-lo quando Dave tentou se matar, esvaziando o armário de remédios. Glenn o amparou, levou-o ao médico e o admitiu ao trabalho no dia seguinte.

 

Os esforços de Glenn para ajudar o irmão foram em vão. Nos anos 90, Dave voltaria a se envolver com o tráfico de drogas — no total, ele seria condenado seis vezes, por assalto, fuga da prisão, tráfico de substância proibida e roubo à mão armada. Em seus piores dias, ele costumava guardar uma espingarda dentro de sua capa de chuva e esconder meta-anfetaminas embaixo do capô do carro. Nas fotos dos arquivos policiais, ele parece ameaçador. Ao vivo, a sensação é ainda mais forte: Dave é um sujeito grande, musculoso, com 1,80 m de altura e olhar penetrante. Até mesmo seu irmão mais velho admite que ele é “uma pessoa extremamente impositiva. Quando ele fica irritado, pode ser assustador”.

 

2004 seria um ano especialmente difícil para o empresário. Mais uma vez, seu irmão saía da prisão. E mais uma vez ele enfrentava o doloroso dilema: colocar sua empresa em risco, ou fechar as portas para alguém com quem tinha laços de sangue? Mais uma vez, ele cedeu ao instinto fraternal. Em dezembro daquele ano, quando o irmão saiu da cadeia, Glenn o apanhou na estação rodoviária em Portland, levou-o para casa e confirmou que ele tinha um lugar na empresa. Ele jamais poderia imaginar o que iria acontecer: quatro anos e meio depois, Dave Dahl se transformaria na força motriz por trás de uma marca de sucesso, além de virar uma espécie de celebridade local.

 

Orgânico e sem ingredientes geneticamente modificados, o Dave’s Killer Bread (numa tradução literal, o “pão matador de Dave”) é hoje uma marca vencedora. O pão é vendido por cerca de US$ 5. Existem 14 variedades, entre elas o Blues Bread, que é rico em milho; o Good Seed, crocante, com sementes de linhaça e girassol; e o longo e fino Peace Bomb. Há, na embalagem, uma caricatura de Dave com cabelos compridos, tocando sua guitarra elétrica, e um texto confessional em que ele conta que encontrou a paz depois de “longos e solitários” anos na prisão. Diz ainda que se curou do vício “tocando violão, me exercitando e me conhecendo melhor, longe das drogas. O sofrimento transformou um ex-condenado em um homem honesto, que faz o possível para tornar o mundo um lugar melhor... um pão de cada vez.”

 

FONTE: Revista PEGN- Pequenas Empresas, Grandes Negócios



publicado por Francisco Banha às 13:19
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
12

13
15
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


posts recentes

franciscobanha.com

BIOALVO pioneira na explo...

Business Angels

Estudo do impacto nas con...

V SNBA Covilhã

V SNBA Lisboa

V SNBA na Marinha Grande

V Semana Nacional de Busi...

Evento sobre Business Ang...

V SNBA é um sucesso

Entrevista à Regiões em D...

Há 42 milhões de euros pa...

Frases Que Fazem Pensar

V Semana Nacional de Busi...

Fórum de Desenvolvimento ...

Cavaco Silva nos EUA numa...

4º Forum Empresarial das ...

OE 2012: A Recuperação do...

Sessão de Lisboa da V Sem...

Frases Que Fazem Pensar

arquivos
tags

todas as tags

Blogs Recomendados

- Portal do Empreendedorismo no Desporto
- Antonuco
- iZNovidade
- Start-Up Whisperer
- Seth Godin
- Venas Inside
- No Fio da Navalha

subscrever feeds