Partilhe comigo e com todos os visitantes deste espaço, a sua opinião sobre empreendedorismo, capital de risco, inovação, gestão, business angels, ideias de negócio, balanced score card, planos de negócio...

Quarta-feira, 12 de Outubro de 2011
PORTUGAL 2020: Entrepreneurship and Venture Capital

 

The notion of Entrepreneurship, as a critical cross-sectional competence to human, social and economic development has been recognised with greater depth as demonstrated by the following statements:

  • “Entrepreneurship is a silent revolution that will be of greater importance to the 21st century than the industrial revolution was for the 20th century” (Timmons) and
  • “Entrepreneurship is a powerful tool to help people reaching the economic success at the same time they take control of their own lives” (Chris Curtis).

 

In the European Commission Summit that took place in Barcelona, at March 8th and 9th, the working group about key competences to the 21st century, introduced the concept of key competences to lifelong learning as one of the best ways to prepare young people to the competences demanded by the labour market in a timeframe between nowadays and the year 2020.

 

Among the eight main competences identified, we evidence the related to structural knowledge, such as maths, mother language and English, for example, but also Entrepreneurship through the involvement of teachers and resourcing to innovative methodologies, based in the learning by doing concept, with a different approach from the traditional learning and adjusted to the new generations profile in constant adjustment and updating.

 

It’s in this perspective that Entrepreneurship Education is inserted allowing a bridge between the educational space and the labour market that will contribute to the great barrier that today still separates the School from the remaining business or not for profit Organizations.

Having in mind this reality GesEntrepreneur – company created by me in January 2006 with the Canadian entrepreneurship guru, professor Chris Curtis – through the trust that has been put down on it by the Regional Governments of Azores and Madeira and by the presidents of 20 municipalities in Portugal mainland, evidencing the municipalities of Cascais, S. João da Madeira and the ones from Terras do Sicó, already contributed to Entrepreneurship training of 30000 young people in basic, secondary and technical education levels in the same manner as 1500 teachers in over 140 schools.

 

After this initial framework of strategic values, such as entrepreneurship, optimism, ethic, trust, risk, innovation and creativity, that should be developed as early as possible, it’s important to reflect where is entrepreneurship taking us?

 

In 5-7 years the young people that are now in the secondary school have some work experience or can even have followed higher education and are now ending their masters degree, some with international experiences as usual through interchange that make Europe smaller.

I trust that these young people, more than the rest that weren’t targeted by the “entrepreneurship virus” during the secondary school, are the ones that easily can trace their own path if there aren’t jobs available. But I also believe that they are the ones that even working for others will know how to be entrepreneurial in the context of a corporation and will take their organisations to a new level of performance.

 

Mostly I believe that the ones that have now the chance to discover what is to be entrepreneur will be the ones that tomorrow will question their surrounding enbironmente and present new solutions for the future.

 

I hope that with my contribution – that would be smaller if it wasn’t supported by local authorities that like me believe that we can shape the future and that make these programs possible – to help shaping Portugal of 2020.

 

 

From Entrepreneurship to Venture Capital

 

 

Even without entrepreneurship programs, most of the generation that is now between 20 and 30 years old had the opportunity in one or other moment, through conferences, books, competitions or from friend’s experiences, to learn the term. Some of them, besides guiding their live with an entrepreneurial attitude, go further and create their own business. They have studied, had a valuable professional experience and launched the dice of their own destiny which allowed them to invest in their dreams. If some bet in more conservative businesses others invest their knowledge in global and scalable businesses based in current trends or in tomorrow’s technology.

 

To these young people I also see a world around them that formats them to give them more conditions to grow in the next decade. If naturally some of these initiatives will not survive for several reasons others will have the most of it in an increasing community of Business Angels – private investors that invest in earlier stages in high growth potential businesses and that are at the moment backed by a Co-investment Fund with 42 million euro that can fund these businesses until the end of June 2013 – that 4 years ago had no expression but at the moment has several critical factors to fulfil the historical lack of national venture capital market.

 

Let’s add to this a more recent phenomenon in all Europe: the business accelerators. In these last two years over 50 incubators/investment mini-funds emerged in Europe – including Portugal that in 2010 had the incubator of the Instituto Pedro Nunes being considered as the best in the world - with distinct formulas but that is based in supporting projects in very early development stages , frequently before Business Angels.

They make available resources to fund creative minds and promising young people to whom is given the chance to risk and dedicate some months of their lives proving “they were right”.

 

We can go further and see the projects that are loaded daily in crowdfunding online platforms, those websites where the access to capital is totally democratized and anonymous investors can invest amounts from 5 euro in projects where these symbolic contributions avoid scraping for bank loans credit – a serious enemy of entrepreneurs these days and not at all targeted to fund ideas and non-asset based expectations.

 

The entrepreneurial ecosystem, notwithstanding its failures and shortages, has discovered in the last years financing alternatives inexistent until now. Let’s go back 10 years and besides bank credit and some specific fund of the European Union, there were few possibilities to these entrepreneurs as venture capital was only investing bigger amounts and Business Angels although existent since 2000, year which I initiated the first Portuguese Business Angels Club, still didn’t have the conditions to invest according to the international best practices in force in the United Kingdom and France and mostly in the USA.

 

New conditions have been made available to entrepreneurs – from Finicia Platforms supported by micro-venture capital, until micro-credit passing through Entrepreneurs Clubs in some Secondary Schools to International Business Plans and launching Corporate Funds such as Critical Software that since last July has 7 million euro to invest in new start-ups – and the impact of this new reality will only be perceived by 2020.

 

By that time we will look behind and see some future case studies that have gone through the upmentioned paths and micro and small companies growing because they have a structure around them that provided a resourceful ground to grow.

 

The support structure certainly doesn’t stay at the early stages of development. It is important to feed the company growth with reinforced Venture Capital Funds suited to the companies’ needs, provide exit strategies to investors and additional funding options to the next financing rounds.

 

The initial bet in venture capital is a growth vector well identified by the European Union to the 2020 Europe and targets the need of having an “efficient venture capital European market” with “suited incentives to private funds that give financing to start-ups and innovative SME”.

There is always more to be done by the market but I trust that this new generation of entrepreneurs, in the same manner as the ones that are still today in the secondary School and that later will join the group, can access to venture capital resources long asked for and plant now the future Googles and Facebooks that will make us proud tomorrow.

 

I recognize that the current framework of economic and financial crisis can discourage some entrepreneurs but we should also recognize that it can, at the same time, be a motivation source to others that, even disappointed by the lack of options, believe this is the moment to step in the sense of a different future.

 

Unfortunately, the current Government Program, in the text referring to education – inserted in Point VI – the Future Challenge – does not mention the word entrepreneurship in the levels of Pre-School, Basic, Secondary Education, featuring only once in the area of Higher Education and Science, I want to believe that the recently created Entrepreneurship, Innovation and Competitiveness Secretary of State will incentivate a cross-sectional work with all the Ministries and public policies to support entrepreneurship incentivating the national economic base and attracting foreign direct investment that allows to balance the trade deficit and create new job opportunities.


We all have our role in this future and I’m certain that in 2020 we will see that it was worth it. I only hope it will not be necessary to reach “the future” to see what we should have done.



publicado por Francisco Banha às 11:35
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 27 de Setembro de 2011
Conselhos sobre Venture Capital

A "Serial Entrepreneur" Carol Realini partilha algumas ideias sobre como angariar capital.

Pode ler o artigo de Angie Chang em huffingtonpost.com, onde poderá também encontrar a seguinte apresentação:

 

 


publicado por Francisco Banha às 18:39
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 7 de Setembro de 2011
Intervenção de Diogo Horta e Costa no XI VCIT

Intervenção de Diogo Horta e Costa, da BIODROID, vencedora do prémio Inovação, no decorrer do XI VCIT.

 



publicado por Francisco Banha às 18:58
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 8 de Julho de 2011
Investimento na Polónia

De acordo com um relatório da European Private Equity and Venture Capital Association (EVCA), a Polónia recebeu o maior montante de investimento de private equity e venture capital entre os países da Europa Central e Europa de Leste.

A Polónia absorveu 657 milhões de Euros, seguido-se República Checa (193 milhões), Roménia (119 milhões) e Ucrânia (96 milhões).



publicado por Francisco Banha às 12:21
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Terça-feira, 21 de Junho de 2011
Venture Capital IT

Mais uma vez a Gesventure reúne em Lisboa especialistas internacionais na temática do capital de risco, Business Angels, empreendedorismo e inovação.

Deixo-lhe abaixo os oradores internacionais do Venture Capital IT deste ano, convidando-o também a conhecer o programa deste ano.

Para mais informações sobre o VCIT visite o site do evento.

 

 

BayBars Altuntas Altuntas, BayBars
Presidente da Turkish Business Angels

 

 
Philippe Gluntz Gluntz, Philippe
Presidente da France Angels e Vice Presidente da EBAN

 

 
Chris Grew Grew, Chris
Partner Orrick

Curriculum

 

 
Alexander Korenberg Korenberg, Alexander
Partner Kilburn & Strode LLP

Curriculum

 

 
Pablo Millan Millán, Pablo
European Investment Fund

 

 
Marco Villa Villa, Marco
Italian Angels for Growth


publicado por Francisco Banha às 18:58
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 23 de Maio de 2011
Venture Capital IT 2011
O Venture Capital IT deste ano realiza-se nos próximos dias 28 e 29 de Junho.

Numa altura em que assistimos, não só em Portugal como em toda a Europa a um aumento significativo dos fundos disponíveis para investimentos nas fases early stage, quer através de sociedades de capital de risco quer através de Business Angels, importa continuar a dar a conhecer à Comunidade Empreendedora Nacional os principais actores do Ecossistema do Financiamento de maneira a poderem ter acesso a este precioso instrumento de desenvolvimento empresarial.

Portugal tem um Fundo de Co-Investimento com Business Angels no âmbito do COMPETE que é uma referência em toda a Europa e que motivou mais de 200 Business Angels portugueses a criar 54 veículos próprios de investimento com capacidade para alavancar 42 milhões de euros de investimento, assim como 14 sociedades de capital de risco com uma atitude mais compatível com as necessidades das fases iniciais de financiamento estão envolvidas no Programa COMPETE, encontrando-se “sentadas” sobre mais 200 milhões de euros que deverão ser investidos, assim como as verbas dos Business Angels, durante os próximos 30 meses conforme previsto neste Programa.

As empresas que interessam aos investidores de risco (Business Angels e fundos de early stage) são as que têm um papel na nossa sociedade de amanhã.


Oradores já confirmados
 
BayBars Altuntas Altuntas, BayBars
Presidente da Turkish Business Angels

 
Paulo Andrez  Andrez, Paulo
Vice Presidente da FNABA e da EBAN

 
Francisco Banha Banha, Francisco
CEO Gesventure

Curriculum

 
Ana Sofia Batista Batista, Ana Sofia
Partner da Abreu Advogados

 
Caetano, Paulo
Director da APCRI

 
Luís Filipe Costa Costa, Luís Filipe
Presidente do IAPMEI

 
Philippe Gluntz Gluntz, Philippe
Presidente da France Angels e Vice Presidente da EBAN

 
Leonor Gomes Gomes, Leonor
C Positiva e CVfilm

 
Alexander Korenberg Korenberg, Alexander
Partner Kilburn & Strode LLP

Curriculum

 
Isaltino Morais Morais, Isaltino
Presidente da Câmara Municipal de Oeiras

 
Luís Rasquilha Rasquilha, Luís
Managing Partner/Senior Vice President da AYR Consulting

 
José Gonzaga Rosa Rosa, José Gonzaga
Partner Ernst & Young

 
João Patricio dos Santos dos Santos, João Patrício
Responsável Unidade de Corporate Finance Gesventure

Curriculum

 
Pedro Saraiva Saraiva, Pedro
Universidade de Coimbra

 
Paulo Veiga Veiga, Paulo
CEO da EAD

 
Marco Villa Villa, Marco
Italian Angels for Growth

 



publicado por Francisco Banha às 12:31
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 4 de Janeiro de 2011
Tendências do Venture Capital em 2010

De acordo com dados divulgados recentemente pelo Dow Jones, 2010 foi um bom ano para o capital de risco.

As start-ups baseadas na Web tiveram um ano especialmente forte, com um total de 62 Aquisições no valor total de  $4,1 milhares de milhões.

Este valor é quase o dobro tanto no número como na quantia de todos os negócios em 2008 e 2009.

No sector da web, Google com 10 aquisições e IBM e Facebook com 5 aquisições cada foram as empresas que mais contribuiram para estes bons resultados.

Convido-o a ler o artigo em http://mashable.com/2011/01/04/2010-vc-exits/



publicado por Francisco Banha às 12:10
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 5 de Julho de 2010
Time Sheet role in the joint venture

 

Partilho convosco este artigo do site http://venturecapital.doodig.com/ sobre a importância da “term sheet” no capital de risco e no investimento de business angels:


“Os empreendedores e as empresas que procuram capital de risco negoceiam normalmente com uma ou mais sociedades de capitais de risco, uma multiplicidade de pontos importantes. Estes pontos incluem o montante de capital a angariar, os termos do investimento, etc. O documento que sumariza estes pontos é conhecido como “term sheet”.


A “term sheet” é idêntica a uma carta de intenções, ou seja, é um sumário não vinculativo dos pontos-chave da transacção. Estes pontos são, posteriormente, vistos ao detalhe no acordo de compra e nos demais acordos assinados aquando da execução da transacção. (…) “


Leia o artigo na íntegra em http://venturecapital.doodig.com/2010/07/04/time-sheet-role-in-the-joint-venture/

 



publicado por Francisco Banha às 10:39
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 4 de Junho de 2010
Pedro Murtinho fala sobre o Fundo Critical Ventures no INEO

 

 

Um dos elos da cadeia de financiamento mais importantes num Ecossistema Empreendedor é, sem sombra de dúvida, o que diz respeito aos Fundos Corporativos, ou seja, em linguagem anglo-saxónica, o Corporate Venture.

 

Porque o lançamento do Fundo Corporativo do Grupo Critical vem trazer algo de muito positivo ao mercado de Venture Capital português, não podia deixar de vos inspirar ouvindo umas breves palavras do Administrador Financeiro do Grupo Critical, o meu caro amigo Pedro Murtinho,  sobre o citado Fundo, no decorrer de uma excelente iniciativa da INEO.

 

http://ineo.pt/

 



publicado por Francisco Banha às 17:34
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 17 de Maio de 2010
Venture Capital IT 2010



publicado por Francisco Banha às 19:13
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 20 de Agosto de 2009
O guia do empreendedor para angariar venture capital

Mark Peter Davis, um "venture capitalist" disponibiliza no seu site "O guia do empreendedor para angariar venture capital".

Apesar de cada caso de angariação de capital ser único, dos diferentes fundos de venture capital terem estratégias e processos de investimento diferentes, não deixa de ser interessante esta visão num guia claro e bem estruturado que o convido a conhecer.

O "Entrepreneur's Guide To Raising Venture Capital" está disponível no site http://www.markpeterdavis.com/ .
 



publicado por Francisco Banha às 18:01
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 10 de Agosto de 2009
Empresas de capital de risco nos EUA

Quando a economia americana mais precisa de investidores capazes de "arriscar", estes estão sob ameaça por parte do "Tesouro" dos Estados Unidos.

O Governo americano quer que as empresas de capital de risco americanas sejam abrangidas pela nova regulação muito restritiva das empresas financeiras.

Estas regras podem retardar a inovação que a economia americana precisa.

Um tema bastante importante já que cerca de 20% do PIB dos Estados Unidos é gerado por empresas formadas através do capital de risco, casos da Intel, Apple e Google.

Leia o artigo de Gordon Crovitz no Wall Street Journal.
 



publicado por Francisco Banha às 16:06
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 31 de Março de 2009
Google Ventures



A Google Ventures - braço de capital de risco do gigante Google há muito aguardado - foi criada este mês com o objectivo de "descobrir e fazer crescer empresas com elevado potencial", ajudando empreendedores desde a "garagem" ao reconhecimento internacional. A empresa surge com intuito de investir em várias indústrias, desde a internet de consumo, software, hardware, tecnologias limpas, biotecnologia e tecnologia aplicada à saúde e em várias fases de investimento - desde seed a mezzanine.

O conceito de Corporate Venture, aqui adoptado pelo Google, é algo que defendo há já muitos anos para Portugal, dado que existem inúmeros projectos que beneficiariam claramente no seu crescimento se fossem amparados por grandes grupos económicos nacionais com capacidade de investimento, sinergias internas e consumo teste dos novos produtos/serviços.
 

Aproveito para destacar um artigo que escrevi já há algum tempo mas que permanece actual dada a relevância do tema: O PSI 20 e as Corporate Ventures.



publicado por Francisco Banha às 11:03
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 23 de Dezembro de 2008
Capital de Risco explicado





O site brasileir eCommerce.org resume para fácil compreensão alguns termos que por vezes são complexos para a generalidade das pessoas. Se ainda não está familiarizado com estes termos, deixo-lhe aqui uma oportunidade para os ficar a conhecer melhor:

Capital de Risco
 

Mesmo no caso das empresas de Internet, cuja necessidade de investimento é geralmente menor que as empresas tradicionais, recursos financeiros, próprios ou de terceiros, são necessários  para a constituição e expansão  do negócio.  As fontes convencionais de obtenção de capital  de risco são: "amigos e família",  "angel investors" e investidores de capital de risco, tipicamente através de múltiplos estágios de financiamento.  Normalmente,  o  capital inicial dos "amigos e família" e dos "Angel investors"  é suficiente apenas  para financiar as necessidades no estágio de constituição da empresa. Dessa forma, outros  estágios de provimento de capital de risco são necessários para financiar as fases de  crescimento e desenvolvimento da empresa.  Outras fontes de financiamento, além de uma eventual  I.P.O. (Oferta Inicial de Ações)  podem ser os fornecedores, clientes e pessoas com relações comerciais com a Empresa.  Com freqüência, o provimento de capital é negociado como parte de uma relação estratégica mais ampla.


O capital de risco através do financiamento de amigos e família

Em geral, o capital inicial de qualquer start-up é obtido pelos Fundadores através do financiamento de "amigos e família", que fornecem o capital inicial e adquirem ações ordinárias que representam apenas uma pequena porcentagem do valor patrimonial da Empresa; em geral, não mais de 5-10%.  Normalmente, esses investidores não têm representação na Diretoria ou qualquer proteção contratual para seu investimento. Como portadores de ações ordinárias, eles estão sujeitos à diluição quando ocorre o investimento subseqüente.
 

O capital de risco e os Angel Investors


Normalmente, os "angel investors" são indivíduos ricos ou fundos especializados em investimentos no estágio inicial que fornecem financiamento adicional no estágio de desenvolvimento que varia de US$ 20.000,00 a US$ 1 milhão, em troca de uma porcentagem negociada das ações da Empresa (em geral, até 20%). Os grupos profissionais de angel investors, que incluem pequenos fundos no estágio inicial, podem investir de US$ 500.000,00 a US$ 1,5 milhão. Sua expectativa é a de negociação de um documento básico contendo termos e condições (e, subseqüentemente, direitos contratuais bastante simples) que incorpore os termos do investimento. Dependendo da porcentagem de ações adquiridas, o "angel investor" pode desejar uma representação na Diretoria e provavelmente insistirá em obter o direito de igualdade de tratamento com os investidores em capital de risco subseqüentes, que fornecerão o financiamento no estágio preliminar. Com freqüência, eles são úteis, já que fornecem consultoria comercial prática e contatos financeiros para os empresários.

Investidores em capital de risco - venture capital 

Os grandes investidores de capital de risco são investidores  profissionais, geralmente com alcance internacional, importantes para a expansão empreendedorismo e seu  suporte financeiro pode ser fundamental no momento de expansão do negócio  Em geral, eles:
 

  • formam uma parceria operacional estreita com os fundadores, e podem trazer gerentes profissionais que ocuparão os cargos de diretor-executivo e diretor-financeiro.

  • têm certas expectativas habituais em termos de propriedade e controle da empresa, retorno esperado sobre o investimento (ROI) e necessidade de uma estratégia de saída claramente definida para seu capital; e  

  • esperam proteções e preferências contratuais significativas.

A questão inicial para qualquer investidor em capital de risco é a avaliação da empresa. O primeiro desafio dos fundadores é entrar em acordo com os investidores no que tange ao valor da empresa já que ele determina o valor de seu investimento e a extensão de sua participação acionária.  Normalmente, os investidores em capital de risco exigem representação na diretoria e direitos de ações de veto relacionadas ao gerenciamento, financiamento e questões operacionais. Dependendo da avaliação quanto à competência administrativa dos fundadores, os investidores de capital de risco podem condicionar seu investimento à contratação de novos diretores-gerentes e podem requerer participação direta no gerenciamento das atividades diárias da Empresa.

IPO -  Inicial  Public Offer

A abertura de ações no Mercado de Capitais é um estágio de financiamento que pouquíssimas  empresas no Brasil atingiram. Até mesmo nos Estados Unidos, onde  essas operações eram relativamente comuns na época da Internet eufórica, elas já não ocorrem com tanta freqüência.  Se você está começando agora, ainda tem um longo caminho a percorrer antes de se preocupar com isso.  

 



publicado por Francisco Banha às 11:05
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
Emerging Companies

Contacte-me directamente ou adicione-me à sua rede de contactos do Linked In através do seguinte e-mail: fbanha@gesbanha.pt

Google Adwords
Grupo Gesbanha



 


 


 


 


 


pesquisar
 
Artigos de Opinião

Registe-se e tenha acesso aos meus artigos


Últimos Artigos

- Portugal 2020: Empreendedorismo e Capital de Risco
- Os Business Angels em Portugal
- Como trazer um Business Angel para seu parceiro de negócio

Livros Recomendados

"Capital de Risco - Os Tempos estão a Mudar"
de Francisco Banha
 

"Mobile Advertising" de Chetan Sharma, Victor Melfi, Joe Herzog
 

"Edison On Innovation"
de Alan Axelrod
 

"Twitter Power 2.0"
de Joel Comm
 

"201 Errores En La Valoracion De Empresas"
de Pablo Fernandez
Novembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
12

13
15
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


posts recentes

PORTUGAL 2020: Entreprene...

Conselhos sobre Venture C...

Intervenção de Diogo Hort...

Investimento na Polónia

Venture Capital IT

Venture Capital IT 2011

Tendências do Venture Cap...

Time Sheet role in the jo...

Pedro Murtinho fala sobre...

Venture Capital IT 2010

O guia do empreendedor pa...

Empresas de capital de ri...

Google Ventures

Capital de Risco explicad...

arquivos
tags

todas as tags

Blogs Recomendados

- Portal do Empreendedorismo no Desporto
- Antonuco
- iZNovidade
- Start-Up Whisperer
- Seth Godin
- Venas Inside
- No Fio da Navalha

Visitas

Free Blog Counter

subscrever feeds