Partilhe comigo e com todos os visitantes deste espaço, a sua opinião sobre empreendedorismo, capital de risco, inovação, gestão, business angels, ideias de negócio, balanced score card, planos de negócio...

Quarta-feira, 12 de Outubro de 2011
PORTUGAL 2020: Entrepreneurship and Venture Capital

 

The notion of Entrepreneurship, as a critical cross-sectional competence to human, social and economic development has been recognised with greater depth as demonstrated by the following statements:

  • “Entrepreneurship is a silent revolution that will be of greater importance to the 21st century than the industrial revolution was for the 20th century” (Timmons) and
  • “Entrepreneurship is a powerful tool to help people reaching the economic success at the same time they take control of their own lives” (Chris Curtis).

 

In the European Commission Summit that took place in Barcelona, at March 8th and 9th, the working group about key competences to the 21st century, introduced the concept of key competences to lifelong learning as one of the best ways to prepare young people to the competences demanded by the labour market in a timeframe between nowadays and the year 2020.

 

Among the eight main competences identified, we evidence the related to structural knowledge, such as maths, mother language and English, for example, but also Entrepreneurship through the involvement of teachers and resourcing to innovative methodologies, based in the learning by doing concept, with a different approach from the traditional learning and adjusted to the new generations profile in constant adjustment and updating.

 

It’s in this perspective that Entrepreneurship Education is inserted allowing a bridge between the educational space and the labour market that will contribute to the great barrier that today still separates the School from the remaining business or not for profit Organizations.

Having in mind this reality GesEntrepreneur – company created by me in January 2006 with the Canadian entrepreneurship guru, professor Chris Curtis – through the trust that has been put down on it by the Regional Governments of Azores and Madeira and by the presidents of 20 municipalities in Portugal mainland, evidencing the municipalities of Cascais, S. João da Madeira and the ones from Terras do Sicó, already contributed to Entrepreneurship training of 30000 young people in basic, secondary and technical education levels in the same manner as 1500 teachers in over 140 schools.

 

After this initial framework of strategic values, such as entrepreneurship, optimism, ethic, trust, risk, innovation and creativity, that should be developed as early as possible, it’s important to reflect where is entrepreneurship taking us?

 

In 5-7 years the young people that are now in the secondary school have some work experience or can even have followed higher education and are now ending their masters degree, some with international experiences as usual through interchange that make Europe smaller.

I trust that these young people, more than the rest that weren’t targeted by the “entrepreneurship virus” during the secondary school, are the ones that easily can trace their own path if there aren’t jobs available. But I also believe that they are the ones that even working for others will know how to be entrepreneurial in the context of a corporation and will take their organisations to a new level of performance.

 

Mostly I believe that the ones that have now the chance to discover what is to be entrepreneur will be the ones that tomorrow will question their surrounding enbironmente and present new solutions for the future.

 

I hope that with my contribution – that would be smaller if it wasn’t supported by local authorities that like me believe that we can shape the future and that make these programs possible – to help shaping Portugal of 2020.

 

 

From Entrepreneurship to Venture Capital

 

 

Even without entrepreneurship programs, most of the generation that is now between 20 and 30 years old had the opportunity in one or other moment, through conferences, books, competitions or from friend’s experiences, to learn the term. Some of them, besides guiding their live with an entrepreneurial attitude, go further and create their own business. They have studied, had a valuable professional experience and launched the dice of their own destiny which allowed them to invest in their dreams. If some bet in more conservative businesses others invest their knowledge in global and scalable businesses based in current trends or in tomorrow’s technology.

 

To these young people I also see a world around them that formats them to give them more conditions to grow in the next decade. If naturally some of these initiatives will not survive for several reasons others will have the most of it in an increasing community of Business Angels – private investors that invest in earlier stages in high growth potential businesses and that are at the moment backed by a Co-investment Fund with 42 million euro that can fund these businesses until the end of June 2013 – that 4 years ago had no expression but at the moment has several critical factors to fulfil the historical lack of national venture capital market.

 

Let’s add to this a more recent phenomenon in all Europe: the business accelerators. In these last two years over 50 incubators/investment mini-funds emerged in Europe – including Portugal that in 2010 had the incubator of the Instituto Pedro Nunes being considered as the best in the world - with distinct formulas but that is based in supporting projects in very early development stages , frequently before Business Angels.

They make available resources to fund creative minds and promising young people to whom is given the chance to risk and dedicate some months of their lives proving “they were right”.

 

We can go further and see the projects that are loaded daily in crowdfunding online platforms, those websites where the access to capital is totally democratized and anonymous investors can invest amounts from 5 euro in projects where these symbolic contributions avoid scraping for bank loans credit – a serious enemy of entrepreneurs these days and not at all targeted to fund ideas and non-asset based expectations.

 

The entrepreneurial ecosystem, notwithstanding its failures and shortages, has discovered in the last years financing alternatives inexistent until now. Let’s go back 10 years and besides bank credit and some specific fund of the European Union, there were few possibilities to these entrepreneurs as venture capital was only investing bigger amounts and Business Angels although existent since 2000, year which I initiated the first Portuguese Business Angels Club, still didn’t have the conditions to invest according to the international best practices in force in the United Kingdom and France and mostly in the USA.

 

New conditions have been made available to entrepreneurs – from Finicia Platforms supported by micro-venture capital, until micro-credit passing through Entrepreneurs Clubs in some Secondary Schools to International Business Plans and launching Corporate Funds such as Critical Software that since last July has 7 million euro to invest in new start-ups – and the impact of this new reality will only be perceived by 2020.

 

By that time we will look behind and see some future case studies that have gone through the upmentioned paths and micro and small companies growing because they have a structure around them that provided a resourceful ground to grow.

 

The support structure certainly doesn’t stay at the early stages of development. It is important to feed the company growth with reinforced Venture Capital Funds suited to the companies’ needs, provide exit strategies to investors and additional funding options to the next financing rounds.

 

The initial bet in venture capital is a growth vector well identified by the European Union to the 2020 Europe and targets the need of having an “efficient venture capital European market” with “suited incentives to private funds that give financing to start-ups and innovative SME”.

There is always more to be done by the market but I trust that this new generation of entrepreneurs, in the same manner as the ones that are still today in the secondary School and that later will join the group, can access to venture capital resources long asked for and plant now the future Googles and Facebooks that will make us proud tomorrow.

 

I recognize that the current framework of economic and financial crisis can discourage some entrepreneurs but we should also recognize that it can, at the same time, be a motivation source to others that, even disappointed by the lack of options, believe this is the moment to step in the sense of a different future.

 

Unfortunately, the current Government Program, in the text referring to education – inserted in Point VI – the Future Challenge – does not mention the word entrepreneurship in the levels of Pre-School, Basic, Secondary Education, featuring only once in the area of Higher Education and Science, I want to believe that the recently created Entrepreneurship, Innovation and Competitiveness Secretary of State will incentivate a cross-sectional work with all the Ministries and public policies to support entrepreneurship incentivating the national economic base and attracting foreign direct investment that allows to balance the trade deficit and create new job opportunities.


We all have our role in this future and I’m certain that in 2020 we will see that it was worth it. I only hope it will not be necessary to reach “the future” to see what we should have done.



publicado por Francisco Banha às 11:35
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 14 de Setembro de 2011
Os Business Angels em Portugal

1 - As dificuldades de acesso a financiamento às empresas contribuem para valorizar ainda mais o papel do capital de risco este ano?

Sem dúvida. Todas as empresas têm momentos críticos onde o recurso a capital externo é essencial. Temos no entanto de distinguir necessidades distintas de capital. Se a empresa necessita de capital porque está a vender menos, a ter dificuldades na cobrança ou outro problema relacionado com tesouraria de curto e médio prazo – problemas partilhados por milhares de empresas neste país, aí a banca continua a ser a fonte a que recorrer. É importante percebermos que o capital de risco não empresta capital (ou pelo menos não é essa a sua função de base). O capital de risco serve para ultrapassar carências relacionadas com o crescimento da empresa. Refiro-me ao reforço do Management, entrada em novos mercados, desenvolvimento de novos produtos, criação de activos intangíveis (ex. propriedade intelectual) entre outros motivos que podem levar a acreditar que esse capital é importante para a empresa chegar a outro nível de desenvolvimento.

Como todos sabemos, o financiamento tradicional – bancário – aumentou o grau de dificuldade dos seus critérios de atribuição de empréstimos e isso aplica-se quer ao financiamento rotineiro como ao financiamento para investimento. É essencialmente neste último aspecto que o capital de risco reforça a sua importância ao constituir uma clara alternativa a uma banca cujo perfil é precisamente o de se distanciar do risco.

 

 

2 - Como tem evoluído a oferta de financiamento de capital de risco nas diversas fases dos projectos? Em que fase de um projecto é mais difícil encontrar oferta disponível?

Historicamente existiu uma grande falha de mercado em Portugal para suprir as necessidades das fases mais iniciais de desenvolvimento. Refiro-me em particular a empresas sem registo de vendas, em período de teste de protótipo ou sem uma estrutura ainda bem solidificada. É neste segmento que estão os maiores ganhos potenciais mas também o maior risco. Se o sector público de capital de risco, sobretudo, ainda conseguiu imprimir uma certa dinâmica de investimento em start-ups, o mesmo ainda não aconteceu nos operadores privados.

É por isso que acredito que até 30 de Junho de 2013 essa realidade vai ser alterada nomeadamente através da participação activa que os business angels podem vir a ocupar, no financiamento das fases iniciais, através da gestão proactiva do seu Fundo de Co-investimento.

De facto o Fundo já está operacional e existem 200 business angels distribuídos por 54 veículos de investimento com capacidade para investirem um total de 42 milhões de euros em start-ups até ao primeiro semestre de 2013.

Acresce ainda que em 2011, 14 Sociedades de Capital de Risco portuguesas irão deter para aplicação em projectos, nas fases iniciais, mais de 100 Milhões de euros, muito por força do excelente trabalho realizado pelo Gestor do Programa Compete que conseguiu que fossem afectadas ao “early stage” verbas que possibilitaram às citadas SCR alavancarem os seus próprios fundos, o que faz acreditar que pela primeira vez se encontram criadas as condições para que os nossos empreendedores consigam materializar os seus sonhos empresariais. 

 

 

3 - Que influência exerce o actual contexto económico sobre os empreendedores?

O contexto actual é de mudança como referi e também de novas oportunidades. Mas apesar de na teoria serem os ingredientes para histórias de sucesso, na dura realidade os empreendedores deparam-se com muita incerteza por parte dos seus clientes, um apertado controlo no orçamento, o poder de compra das famílias (o consumidor final para muitos sectores) a diminuir com os cortes no sector público, o IVA a aumentar, as cobranças mais difíceis, só para referir alguns.

É possível contrariar isto e dar oportunidades às empresas emergentes para se afirmar.

Recordo que tanto os EUA como mais recentemente a União Europeia através do “Small Business Act for Europe” recomendam que uma percentagem do orçamento das entidades públicas deva ser afecto exclusivamente a PMEs inovadoras como forma de financiar o seu desenvolvimento (nos EUA esta medida é mesmo obrigatória para alguns órgãos públicos). Este é apenas um dos exemplos do que se pode fazer adoptando uma política de “think small first”e que teria um impacto significativo em milhares de micro e pequenas empresas, o berço das empresas inovadoras de sucesso amanhã.

 

 

4 - E os investidores? Que impacto têm todas as notícias económicas do país sobre os seus posicionamentos?

Tal como os bancos analisam os pedidos de crédito de forma mais criteriosa, também os investidores olham com desconfiança para planos de negócio excessivamente optimistas e sabem reconhecer que apesar de os projectos serem bons, é preciso o mercado ter a capacidade de comprar os seus produtos e serviços.

Quanto à disponibilidade dos business angels julgo que, as citadas notícias, não tem grande influência, ainda para mais se considerarmos a alavancagem conferida pelo novo fundo de co-investimento que já referi. A disponibilidade do capital mantém-se porque quem se inicia nesta actividade confere sempre uma parte marginal do seu património líquido a estes investimentos de alto risco. Já as suas decisões de investimento serão certamente mais ponderadas pelos mesmos motivos de revisão de expectativas de crescimento do mercado.

 

 

5 - Que prioridades terá a FNABA em 2011?

A FNABA está muito empenhada em que o novo fundo de Co-investimento com o COMPETE seja um sucesso e que os business angels dêm um passo e frente e que com as novas condições sejam mais “atrevidos”. Lutámos muito por este fundo e é agora importante que ele chegue aos empreendedores e aos projectos com maior mérito e potencial.

Para além disso continuaremos a defender mais e melhores condições de investimento não esquecendo que o limite de abate dos investimentos em sede de IRS que tinha sido conquistado no orçamento de estado de 2010 foi revisto em baixa para 2011.

De facto numa altura em que se torna essencial à sobrevivência das empresas, e particularmente aquelas que agora iniciam o seu caminho, o reforço da sua estrutura de capitais próprios faria todo o sentido não limitar o citado benefício fiscal apenas a 100 euros???…, mas sim manter os valores de 2010 ou até mesmo aumentá-los premiando assim os investidores que arriscam o seu capital e o seu tempo em projectos que dificilmente serão financiados por outras classes de investidores, nomeadamente as sociedades de capital de risco.

A contínua sensibilização para a actividade dos business angels como classe alternativa de investimento e como opção para o financiamento das PME é e vai continuar a ser a nossa bandeira.

Acreditamos inclusivamente que o facto de a FNABA ter assumido responsabilidades, como um dos Vice-Presidente do Conselho Geral da CIP, irá permitir que as nossas ideias sejam mais fáceis de ser interpretadas pelos vários actores da Economia Nacional e desta forma podermos afirmar a nossa importância na criação de novas empresas quer a nível nacional quer internacional.

Acresce que numa altura em que tanto se fala de exportação e de internacionalização assume particular importância o papel que a FNABA possui nas Associações Europeia e Mundial de Business Angels, assumindo responsabilidades ao nível das respectivas direcções, o qual irá permitir que muitas das start-ups que agora iniciam as suas actividades possam vir a beneficiar das redes de contactos que há já vários anos vamos mantendo com diversos grupos de business angels espalhados por todo o mundo.

 

 

6 - Com a crise instalada, o seu conceito de business angel sofreu alterações? Como define, em pleno ano 2011, o papel do Business Angel?

Se por um lado os business angels revêem a sua forma de avaliar os projectos, talvez também seja importante avaliarem a sua própria performance e de que maneira podem melhor contribuir para o desenvolvimento das empresas em que participam. Estudos recentes no Reino Unido indicam que business angels que despendem pelo menos 20 horas de acompanhamento do projecto são mais bem sucedidos, o mesmo sucedendo aos que se envolvem apenas até um determinado ponto com a actividade da empresa. São factores que podem variar largamente mas que segundo os dados revelados demonstram que para além do dinheiro, a intervenção mais ou menos activa dos business angels tem consequências no desempenho do negócio.

Os business angels têm um papel crítico na cadeia de financiamento de negócios inovadores. Todos os nomes sonantes que conhecemos como o Google, o Facebook, a Amazon, a Body Shop, só chegaram ao patamar em que estão hoje porque nos momentos críticos iniciais de desenvolvimento tiveram o apoio de business angels. Se estes não tivessem surgido quando eram necessários o seu crescimento teria sido mais lento ou não sobreviveriam até chegarem ao patamar seguinte de financiamento.



publicado por Francisco Banha às 11:47
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 6 de Julho de 2011
A evolução da Economia passados seis meses de 2011

A evolução da Economia passados seis meses de 2011, a Execução Orçamental e as medidas da Troika já executadas foram o tema desta edição que contou com a minha presença e as de Jorge Santos, professor do ISEG, Rui Leão Martinho, bastonário da Ordem dos Economistas e José Almaça, professor universitário.

 

Parte 1

 

 

 

Parte 2

 

 

 

Parte 3

 

 

 

Parte 4

 



publicado por Francisco Banha às 11:38
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 6 de Junho de 2011
Portugal

Mais um excelente artigo do meu amigo Paulo Júlio, Presidente da Câmara Municipal de Penela, sobre Portugal e a forma de encarar e vencer os obstáculos com que nos deparamos.


"Temos um enorme desígnio pela frente. Talvez um dos maiores, desde Abril de 1974. Portugal e os portugueses precisam de recuperar o seu orgulho nacional e a sua auto-estima, para que, em cada uma das cidades e aldeias, nas empresas e nas instituições, volte a existir esperança.

Não podemos falhar. Mas, para não falhar precisamos de coragem, de trabalho e de maior abertura para trabalhar em conjunto. O individualismo e o sectarismo têm de ser substituídos por um sentimento mais colectivo, mais patriótico e até, se quiserem, mais visionário.

Não podemos fazer mais do mesmo. A melhor forma de encarar o futuro será mudar a nossa atitude, colocando-nos mais vezes no lugar do outro e, com esse ponto de partida, ponderarmos melhor, decidirmos melhor e até, se quiserem, ambicionarmos melhor.

Não podemos confundir o essencial com o acessório. Temos de ter uma visão estratégica, temos de fazer um planeamento, sem medo de falhar, monitorizando-o, corrigindo-o, sempre que necessário. Isto vale para o Governo, para as empresas e para todas as instituições. Quando tudo é prioritário, paradoxalmente, não há prioridades. E o tempo nunca foi tão importante como agora.

Portugal precisa de um choque de inconformismo. Somente os portugueses o poderão realizar. Não nos podemos conformar com uma economia que não cresce e, por isso, não gera emprego, com um Estado omnipresente, castrador e que não confia nos cidadãos.

Não nos podemos conformar com uma Justiça lenta e dependente do poder político, e com um país desigual que deixa quase dois milhões de compatriotas no limiar da pobreza.

Não nos podemos conformar com um território abandonado no interior, que perde oportunidades e que não aproveita os seus recursos.

Não nos podemos conformar com a falta de exigência na escola e com o abandono escolar precoce, ao nível de países como a Turquia ou o México.

Estas prioridades também dependem de cada um de nós. Claro que precisamos de um novo Governo, com liderança exemplar, que chame os melhores, defina os objectivos estratégicos para a próxima década em Portugal e que tenha coragem de mudar.

Mas, a tarefa grande começa nos pequenos detalhes. A grande tarefa começa na família, na associação, na escola, na pequena empresa, nas comunidades locais e, naturalmente, termina nas células maiores, nos grandes grupos económicos e no Estado, que terá sempre de dar o exemplo.

Eu acredito que seremos capazes. Eu acredito no patriotismo de cada um do Portugueses que não se importará de fazer sacrifícios, desde que valham a pena. E valer a pena, é voltar a criar emprego, valer a pena é voltar a dar esperança aos nossos jovens talentos e eles não emigrarem, valer a pena é ter um Portugal mais justo.

Valer a pena é estes desejos saírem, finalmente, do âmbito das palavras e dos discursos.

Precisamos de uma grande equipa para abraçar este desafio gigantesco que se nos coloca pela frente. Essa equipa tem 10 milhões de pessoas e é única no mundo.

Chama-se … Portugal!"



publicado por Francisco Banha às 12:01
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 29 de Maio de 2011
Memorando da Troika – Em Português

O Blog Aventar publicou um extenso e completo artigo sobre as medidas que foram negociadas para a ajuda externa a Portugal.

Enriquecido com inúmeros comentários de leitores, esta é sem dúvida uma leitura obrigatória para quem prefere ler o documento em Português.

 

O artigo está disponível em: http://aventar.eu/2011/05/04/memorando-da-troika-em-portugues/

 

 

«Esta é uma leitura obrigatória para qualquer português que se preocupe minimamente com o que o rodeia e com o que vai acontecer nos próximos 3 anos em Portugal.

 

Se ler este documento vai verificar que as instruções do CE, BCE e FMI são muito mais profundas e abrangentes do que à primeira vista possa parecer.

Neste memorando são referidos mais dois documentos um técnico e outro politico. Isto tem gerado alguma confusão. Os documentos são:

  • Memorandum of understanding on specific economic policy conditionality – é o documento que publicamos neste post;
  • Memorandum of Economic and Financial Policies – este documento também foi traduzido pelo aventar, leia aqui;
  • Technical Memorandum of Understanding – este documento não é conhecido. Através de várias fontes já nos foi referido que este documento é um trabalho em progresso.

Revisão de: 2011-05-21 1:06

Índice:

Preâmbulo

1. Política orçamental
2. Regulação e supervisão do sector financeiro
3. Medidas Fiscais Estruturais
4. Educação e formação
5. Mercados de bens e serviços
6. Mercado habitacional
7. Condições de enquadramento
8. Concorrência, compras públicas e ambiente de negócios

A. Créditos


Formatos para download:

Disponibilizamos este documento em formato PDF:

Também temos em formato ePub (este formato é apropriado para os leitores de livros electrónicos e para alguns “smart phones”):



publicado por Francisco Banha às 14:16
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 10 de Novembro de 2010
A saída para a crise passa por...



Artigo interessante sobre as propostas para sair da crise sugeridas por 35 gestores, economistas e empresários e compiladas pelo Expresso.

 

http://aeiou.expresso.pt/a-saida-para-a-crise-passa-por=f614001



publicado por Francisco Banha às 13:01
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 18 de Outubro de 2010
Orçamento de Estado para 2011

A Direcção Geral do Orçamento tem já disponível no seu site para consulta o Orçamento de Estado para 2011.

Vai poder encontrar:

 

- Relatório

- Proposta de Lei

- Mapas da Lei

- Mapas Informativos

- Mapas com os Desenvolvimentos Orçamentais dos Serviços Integrados e dos Serviços e Fundos Autónomos

- Programas e Medidas Orçamentais.

 

www.dgo.pt/oe/2011/Proposta/index.htm



publicado por Francisco Banha às 11:29
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 14 de Julho de 2010
a visão do FT sobre Portugal

 

Relatório Especial do Financial Times sobre Portugal - 14/ Julho/ 2010



 

 



publicado por Francisco Banha às 16:59
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 25 de Junho de 2010
Portugal ganhou 600 novos milionários no ano passado

O número de portugueses com uma fortuna pessoal superior a um milhão de dólares (cerca de 814 mil euros) ascendeu a 11 mil no ano passado, mais 600 do que em 2008, segundo dados do estudo «World Wealth Report», elaborado pela Capgemini e Merrill Lynch e citado pelo Dinheiro Digital.

 

O aumento de 5,5% no número de milionários em Portugal acompanhou a tendência registada a nível global, com o número de milionários a atingir os 10 milhões, tendo o seu nível de riqueza crescido 18,9%, para os 39 mil milhões de dólares. A explicação para o aumento no número de milionários em plena crise prende-se com a subida generalizada nas bolsas aliada à queda nas taxas de juro.

 

Milionários investem mais com a emoção do que com a razão

 

Segundo o mesmo estudo, os investimentos em «prazer» desses milionários não diminuíram. «Desde o fim de 2009, o mercado das colecções de produtos de luxo como arte, vinhos e carros voltou a crescer, com concorridos leilões na Europa e na América do Norte», afirma Laurence Chrétien, directora de projectos da Capgemini Consulting, citada pelo Dinheiro Digital.

 

FONTE: Dinheiro Digital

 



publicado por Francisco Banha às 09:59
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 14 de Junho de 2010
Portugal regista a quarta maior taxa de desemprego da OCDE

A taxa de desemprego em Portugal chegou aos 10,8 por cento em abril, com o país a subir uma posição e a registar a quarta taxa mais elevada da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

 

A percentagem da população activa no desemprego em Portugal, medida pela OCDE, subiu 0,2 pontos percentuais em Abril, face aos 10,6 por cento observados em Março, alcançando um novo recorde dos últimos 20 anos.

 

Portugal ultrapassou assim a Hungria, que em Março era o quarto país com a taxa de desemprego mais elevada.

 

Entre os países da OCDE, Espanha mantém-se como o que apresenta a taxa mais elevada (19,7 por cento), seguido da Eslováquia (14,1 por cento) e Irlanda (13,2 por cento). As taxas de desemprego mais baixas foram observadas na Coreia do Sul (3,7 por cento) e Holanda (4,1 por cento).

 

No conjunto dos países da OCDE, a taxa de desemprego manteve-se estável nos 8,7 por cento, com o número de desempregados a subir 3,3 milhões para 46,5 milhões de pessoas.

 

No início do mês, a primeira estimativa do Eurostat para a taxa de desemprego em Portugal em Abril apontava igualmente para os 10,8 por cento.

 

O Governo estima que Portugal chegue ao final do ano com uma taxa de desemprego de 9,8 por cento, projectando que a recuperação do mercado laboral se dê com mais intensidade no segundo semestre.

 

FONTE: Jornal I

 



publicado por Francisco Banha às 11:37
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 9 de Junho de 2010
Portugal continua com brandos costumes

 

Continuamos a manter um dos países da Europa mais pacíficos para se construir uma vida. Com o ambiente de paz a degradar-se em todo o mundo, apesar de haver menos conflitos armados, Portugal está ainda entre os dez países mais pacíficos da Europa, e Moçambique é o segundo em África.

 

Segundo o Índice de Paz Global (GPI), hoje divulgado, Portugal é o nono país mais pacífico da Europa, continente que é de todos o menos conflituoso, e o 13º em todo o mundo.

 

Elaborado pelo centro de estudos Instituto para a Economia e Paz, a partir de dados compilados pela Economist Intelligence Unit, o estudo classifica os países consoante 23 indicadores como o nível de gastos militares ou relações com os países vizinhos, mas também a taxa de homicídios ou crimes violentos.

 

Na quarta edição deste estudo, o Iraque é considerado o país mais violento, seguido da Somália e Afeganistão, enquanto a Nova Zelândia é o mais pacífico, pelo segundo ano consecutivo, à frente da Islândia e do Japão.

 

O mundo, refere o painel de académicos responsável pela análise, enfrenta actualmente um conjunto de grandes desafios que incluem a gestão económica, sustentabilidade ambiental e também social, e as instituições mostram falta de “habilidade” para os resolver.

 

“Isto pode ser visto no colapso da discussão de Copenhaga sobre alterações climáticas, crescimento da dívida dos sectores públicos e privado, falta de regulação dos aspectos especulativos do sistema financeiro ou mesmo a nossa incapacidade para articular bons modelos capitalistas que não se baseiem totalmente no consumo”, adiantam os autores.

 

Com 1354 pontos, Portugal alcança uma média superior à dos países Europeus, ficando à frente do Canadá, Qatar e Alemanha.

 

Contudo, Portugal regista um agravamento de 0,37 pontos percentuais em relação à primeira análise, há quatro anos, que os autores relacionam com o impacto social da situação financeira. “Nota-se que o declínio médio destes países [da União Europeia, altamente endividados, em que são incluídos também Irlanda, Grécia e Espanha] é consideravelmente mais alto que a média global e que tiveram a maior queda em termos de paz”. Os outros países do mesmo grupo registam todos quedas superiores a seis pontos percentuais, bem acima de Portugal.

 

De acordo com o estudo, a situação financeira resultante de grandes défices estruturais gera instabilidade política e possibilidade de manifestações violentas e até conflitos.

 

Desde a primeira edição do estudo, em 2007, o mundo tornou-se “ligeiramente menos pacífico”, e isso coincidiu com a crise financeira global, notam. Os indicadores que mais penalizaram foram os de sofisticação militar, relações com países vizinhos, número de mortes resultantes de conflitos internos organizados, de homicídios e de conflitos internos e externos.

 

África foi a região do mundo que mais melhorou, e Moçambique surge como segundo país mais pacífico no continente e no 47.º lugar geral.

Angola ocupa a 86ª posição no ranking de 149 países que não inclui Guiné-Bissau, Timor-Leste ou Cabo Verde.

 

A América Latina foi penalizada por uma subida de homicídios e crimes violentos, com o Brasil dentro da média da região, em 83.º lugar.

 

FONTE: I Online

 



publicado por Francisco Banha às 12:25
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 3 de Maio de 2010
Portugal sobe no ranking de inovação

 

Portugal foi o país europeu que mais progrediu no indicador relativo à despesa das empresas em investigação e desenvolvimento (I&D), segundo o último relatório do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), revela o Magazine Leiria Económica.


«Portugal subiu um lugar no ranking europeu de inovação, ocupando o 16º lugar à frente de países como a Noruega e a Espanha, fazendo parte do grupo de países moderadamente inovadores», realça o documento.

 

FONTE: Leiria Económica



publicado por Francisco Banha às 11:02
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 5 de Março de 2010
4º IGNITE Portugal- "Enlighten us, but make it quick"

Ontem fui um dos oradores da fantástico evento IGNITE Portugal, que já vai na sua quarta edição. Defendi com paixão aquilo em que realmente acredito: que os próximos 3 anos serão dourados para as start ups portuguesas.

 

O IGNITE foi para mim uma agradável surpresa, revi muitos e bons amigos e inspirei-me com as inesperadas apresentações dos oradores convidados.

Sublinho a nobre causa para a qual reverteu o montante dos ingressos deste evento inspirador- Associação Terra dos Sonhos, que se propõe realizar os sonhos de crianças e adolescentes diagnosticados com doenças crónicas e/ou em fase avançada. O seu lema, também ele inspirador, é “Um sorriso vale tudo!”.

 

A 4ª edição do IGNITE Portugal, que se desenrolou em simultâneo em Lisboa e no Porto cumpriu com o seu objectivo- incendiou mentes, ateou inspirações e, sendo transmitida para todo o mundo pela internet, mostrou de que são feitos os portugueses.



publicado por Francisco Banha às 16:10
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 26 de Novembro de 2009
Lição de História de Portugal em 7 minutos e 37 segundos


publicado por Francisco Banha às 15:30
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 1 de Outubro de 2009
Convite do ITAE - Escola de Negócios da Extremadura, Espanha

Portugal é desde sempre um país atractivo para a vizinha Espanha. Em termos de turismo, mão-de-obra e negócios em geral.

A prova é o honroso convite que me foi dirigido, enquanto Fundador do Grupo GesBanha, para ministrar a disciplina de “Oportunidades del Mercado” no “Curso de Habilidades Sociales Y Negociación en Portugal”, promovido pelo ITAE- Escuela de Negócios.

O curso realiza-se na cidade de Cáceres, na província fronteiriça de Extremadura, que tem implementado algumas iniciativas empresariais no nosso país.

A ideia subjacente a este curso é que para termos sucesso fora de portas, temos de conhecer parcialmente a sociedade, cultura e políticas (económicas, fiscais, laborais) do país de destino. Depois, temos de identificar as principais diferenças entre o nosso país e o de destino - o que se torna mais desafiante quando falamos de países vizinhos.

O objectivo deste curso passa igualmente por ampliar a rede de contactos dos seus formandos, de modo a fortalecer parcerias entre sectores que já se relacionem em ambos os países, ou abrir o canal no caso de sectores que ainda não tenham uma relação estreita.

O programa deste curso, como não seria de estranhar, incorpora temas como sociedade e cultura, diferenças fiscais e contabilísticas, legislação laboral ou os principais aspectos da negociação em Portugal.

O ITAE- Escuela de Negócios existe desde 1992 e está no ranking das melhores escolas de negócios de Espanha. Ministra cursos de formação, mestrados e MBA’s a executivos e empresas.

O curso tem início no dia 2 de Outubro, no Hotel Ágora (em Cáceres), tem a duração de três dias e dirige-se a quadros intermédios e de direcção de empresas de Extremadura. O curso é de participação gratuita, sendo as vagas limitadas.
 



publicado por Francisco Banha às 11:26
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 12 de Agosto de 2009
...

"Portugal tem cerca de 2 milhões de pobres: 18% da população portuguesa não tem mais de 379 euros de rendimento por mês!

Portugal tem uma prioridade: eliminar a pobreza.

Para tal necessita de criar riqueza, produzir mais e melhor, diminuir o endividamento.

Uma ideia? Fazer de Portugal o país mais investor friendly da Europa"

Jorge Bleck, Jurista no Jornal i de 12.08.09
 



publicado por Francisco Banha às 16:32
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 10 de Junho de 2009
Dia de Portugal

 

Cessem do sábio Grego e do Troiano
As navegações grandes que fizeram;
Cale-se de Alexandro e de Trajano
A fama das vitórias que tiveram;
Que eu canto o peito ilustre Lusitano,
A quem Neptuno e Marte obedeceram:
Cesse tudo o que a Musa antígua canta,
Que outro valor mais alto se alevanta.

In Canto I OS LUSIADAS

Wikipedia:

Luís Vaz de Camões (c. 152410 de Junho de 1580) é frequentemente considerado como o maior poeta de língua portuguesa e dos maiores da Humanidade. O seu génio é comparável ao de Virgílio, Dante, Cervantes ou Shakespeare; das suas obras, a epopéiaOs Lusíadas é a mais significativa. [continuação]



«Para existir um novo Portugal, é preciso ser como Camões: agir primeiro e reagir depois. Porque há uma tendência de reflectir sobre as nossas impossibilidades, e não agir em conformidade com as nossas capacidades.»

Virgilio Castelo, actor em entrevista à Revista Plenitude de 7.06.09
 



publicado por Francisco Banha às 12:44
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 21 de Maio de 2009
Obstáculos à actividade de business angel em Portugal

Tendo decorrido quase 18 meses desde que a legislação que consagrou os ICRs, nome atribuído, no nosso país, aos Business Angels foi publicada e mais de doze meses desde que os benefícios fiscais foram alargados aos ICRs organizados em Sociedade Unipessoais por Quotas (SUPQICR), e feita uma análise preliminar, constatam-se três factos:

- Nenhum dos mais de 350 business angels conhecidos constituíram SUPQICR e as registaram na CMVM;
- A generalidade dos business angels, incluindo os que constituíram as SUPQICR, vieram a constatar que os benefícios que lhe foram concedidos não permitem reduzir qualquer tributação que sobre eles incidia enquanto investidores informais;
- Os custos de incorporar a SUPQICR e de mantê-la são muito elevados (mais de € 6.000 por ano) devido à necessidade de contratar prestadores de serviços para assistirem no cumprimento das obrigações legais e fiscais (nomeadamente advogados e técnicos oficiais de contas) e devido ao Pagamento Especial por Conta mínimo de € 1.250.

O objectivo de obrigar à constituição de uma SUPQICR que decorria do DL 375/2007, ou seja, separar patrimónios para garantir transparência, não necessita, em boa verdade de uma estrutura deste tipo. O património investido em capital de risco pelo ICR, consiste geralmente na detenção de participações sociais em empresas operacionais que vão desenvolver os negócios e os business angels investem num número limitado de negócios, podendo haver anos em que não investem em qualquer negócio. Assim, ter uma estrutura societária própria para deter entre 1 e 5 participações sociais cujo valor máximo estará normalmente entre € 500.000 e € 1 milhão, é um encargo pesadíssimo: ou seja, incorrem-se custos fixos e certos perante proveitos aleatórios e ocasionais.

Finalmente, em outras jurisdições - Irlanda, França e Reino Unido são disso exemplo- foram consignados benefícios efectivos aos business angels em sede de imposto sobre o rendimento pessoal (incluindo mais-valias) sem requisitos de incorporação de holdings pessoais e portanto sem custos fixos de detenção de um portfolio de participações sociais.

Finalmente, o benefício concedido pelo nº 4 do artigo 32º do EBF é virtualmente inexistente: deduzir ao montante apurado nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 83.º do Código do IRC [matéria colectável em IRC], e até à sua concorrência, uma importância correspondente ao limite da soma das colectas de IRC dos cinco exercícios anteriores àquele a que respeita o benefício, desde que seja utilizada na realização de investimentos em sociedades com potencial de crescimento e valorização.

Vejamos porquê. Os investimentos são normalmente realizados em sociedades com potencial de crescimento e valorização (se ela depois se confirma é algo que não se sabe à partida), mas, como se disse supra, as SUPQICR, por norma, não terão matéria colectável porque, apesar da sua conta de resultados vir a apresentar lucros, a dedução dos lucros recebidos sob a forma de dividendos ao abrigo do artigo 46º do CIRC e a dedução das mais-valias permitida pelo artigo 32º do EBF, tornarão os lucros contabilísticos em prejuízos fiscais e, consequentemente, não haverá matéria colectável em que basear a dedução em causa.

Conforme demonstrámos antes, os benefícios atribuídos revelam-se de praticamente nenhuma utilidade para aquilo que deveriam provocar: ou seja, levar a que os business angels realizem investimentos em projectos de risco, normalmente em projectos de «early stage» (inicial) e «seed capital» (semente). Estes projectos são normalmente de alto risco, porque se trata de ideias aparentemente boas mas ainda sem provas dadas, e cujos valores de investimento não têm montantes muito elevados.

Porque os benefícios, na forma como estão actualmente não são atraentes para os investidores e não cumprem a sua função, é nossa opinião que deveriam ser reformulados pois os efeitos na criação de emprego e de rendimento tributável na economia superará muitíssimo a potencial despesa fiscal como facilmente se percebe pela participação que os impostos têm no produto gerado;

Foi dentro deste contexto que a FNABA, em estreita articulação com a consultora internacional MAZARS & Associados, SROC, S.A., concebeu e elaborou, que em devido tempo entregou ao Governo Português, uma Proposta de Alterações ao Enquadramento Jurídico e Fiscal actualmente aplicável à actividade de Business Angels, a qual, no seu entendimento permitirá aos Business Angels passar a desenvolver a sua actividade através de um conjunto de mecanismos fiscais específicos mais orientados para os seus investimentos individuais e, consequentemente, com reflexos mais evidentes no desenvolvimento das PME’s nacionais, na criação de emprego e no aumento da receita pública.

A este nível assume particular relevo a dedução à colecta de IRS de 20% do investimento realizado pelos Business Angels, em projectos em fase de Pré-Seed, Seed Capital e Start-ups, com o montante máximo anual de 40.000 euros, comparativamente aos 600.000 euros do Reino Unido, aos 75.000 euros de França e aos 300.000 euros recentemente propostos para vigorar no mercado espanhol.

Mais recentemente a FNABA propôs igualmente às autoridades competentes a criação de fundos de co-investimento entre o Estado e os Business Angels que permitam financiar start-ups numa situação de partilha de risco. Refira-se que este mecanismo de Co-Investimento tem vindo a registar um considerável sucesso em alguns países Europeus, tais como a Bélgica, Escócia, Alemanha e Holanda.
 



publicado por Francisco Banha às 11:55
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
Emerging Companies

Contacte-me directamente ou adicione-me à sua rede de contactos do Linked In através do seguinte e-mail: fbanha@gesbanha.pt

Google Adwords
Grupo Gesbanha



 


 


 


 


 


pesquisar
 
Artigos de Opinião

Registe-se e tenha acesso aos meus artigos


Últimos Artigos

- Portugal 2020: Empreendedorismo e Capital de Risco
- Os Business Angels em Portugal
- Como trazer um Business Angel para seu parceiro de negócio

Livros Recomendados

"Capital de Risco - Os Tempos estão a Mudar"
de Francisco Banha
 

"Mobile Advertising" de Chetan Sharma, Victor Melfi, Joe Herzog
 

"Edison On Innovation"
de Alan Axelrod
 

"Twitter Power 2.0"
de Joel Comm
 

"201 Errores En La Valoracion De Empresas"
de Pablo Fernandez
Novembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
12

13
15
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


posts recentes

PORTUGAL 2020: Entreprene...

Os Business Angels em Por...

A evolução da Economia pa...

Portugal

Memorando da Troika – Em ...

A saída para a crise pass...

Orçamento de Estado para ...

a visão do FT sobre Portu...

Portugal ganhou 600 novos...

Portugal regista a quarta...

Portugal continua com bra...

Portugal sobe no ranking ...

4º IGNITE Portugal- "Enli...

Lição de História de Port...

Convite do ITAE - Escola ...

...

Dia de Portugal

Obstáculos à actividade d...

arquivos
tags

todas as tags

Blogs Recomendados

- Portal do Empreendedorismo no Desporto
- Antonuco
- iZNovidade
- Start-Up Whisperer
- Seth Godin
- Venas Inside
- No Fio da Navalha

Visitas

Free Blog Counter

subscrever feeds