Partilhe comigo e com todos os visitantes deste espaço, a sua opinião sobre empreendedorismo, capital de risco, inovação, gestão, business angels, ideias de negócio, balanced score card, planos de negócio...

Quinta-feira, 6 de Outubro de 2011
Portugal 2020: Empreendedorismo e Capital de Risco
"A situação de emergência que Portugal vive não pode fazer esquecer a necessidade de pensar o futuro do País.

Por isso, a edição de Setembro dos Cadernos de Economia é subordinada ao tema "Portugal 2020" - o mesmo do Congresso Nacional dos Economistas, a realizar em Outubro.

Reputadas personalidades/especialistas - nomeadamente académicos e outros investigadores - antevêem a evolução socioecononómica portuguesa ao longo da próxima década.

Enfim, se é urgente enfrentar os graves problemas financeiros/económicos/sociais destes dias, não deixa de ser indispensável fazer uma prospectiva séria da Nação - pelo menos, a 10 anos."

- Cadernos de Economia, edição nº 96

 

Foi com bastante orgulho que recebi o convite do meu amigo Dr. Rui Martinho, Bastonário da Ordem dos Economistas, para escrever um artigo para os Cadernos de Economia da Ordem dos Economistas cuja edição de Setembro foi subordinada ao tema "Portugal 2020", o qual não podia deixar de partilhar com todos aqueles que partilham o interesse dos temas Empreendedorismo e Capital de Risco.

O título do artigo é "Portugal 2020: Empreendedorismo e Capital de Risco" e pode ser lido no seguinte ficheiro .pdf (0,34MB)
 


publicado por Francisco Banha às 11:50
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 21 de Setembro de 2011
Intervenção de Rui Pedro Batista no XI VCIT

Intervenção de Rui Pedro Batista, Director Adjunto do Económico TV, vencedor do Prémio Intrapreneur do Ano, no decorrer do XI VCIT.

 



publicado por Francisco Banha às 18:00
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 14 de Setembro de 2011
Intervenção de Rita Anunciação no XI VCIT

Intervenção de Rita Anunciação, Medbone, empresa vencedora do Prémio Internacionalização, no decorrer do XI VCIT.

 



publicado por Francisco Banha às 11:44
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 12 de Setembro de 2011
Intervenção de João Crispim no XI VCIT

Intervenção de João Crispim do Centro Empreendedorismo UAC no decorrer do XI VCIT

 



publicado por Francisco Banha às 14:29
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 9 de Setembro de 2011
Newsletter n.69 do Grupo Gesbanha
 
 
A Newsletter do Grupo Gesbanha na sua edição nº 69 dá especial destaque ao artigo "Capital de Risco: Dinheiro vs Competências de Quem o Gere..." e a uma entrevista sobre o tema "Crowdfunding".

Destaque ainda para o arranque do Programa Escolas Empreendedoras dos Açores 2011/2012, E-commarketing Show e mais vídeos das intervenções no decorrer do XI Venture Capital IT.


publicado por Francisco Banha às 18:02
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 6 de Setembro de 2011
Intervenção de Paulo Veiga no XI VCIT

Intervenção de Paulo Veiga, CEO da EAD durante o XI VCIT.

 



publicado por Francisco Banha às 16:16
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 5 de Setembro de 2011
Intervenção de Ricardo Câmara e Sousa no XI VCIT

Intervenção de Ricardo Câmara e Sousa, Commercial Director MediWiSe durante o XI VCIT

 



publicado por Francisco Banha às 15:12
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 11 de Agosto de 2011
Intervenção de Paulo Andrez no XI VCIT

Intervenção de Paulo Andrez, Vice-Presidente da EBAN durante o XI Venture Capital IT

 



publicado por Francisco Banha às 19:09
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 10 de Agosto de 2011
Intervenção de Rita Seabra no XI VCIT

Intervenção de Rita Seabra, Responsável Programa FINICIA IAPMEI durante o XI Venture Capital IT.

 



publicado por Francisco Banha às 18:31
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 5 de Agosto de 2011
Intervenção de Mark de la Rosa no XI VCIT

Intervenção de Mark de la Rosa, Director da Angel Soft durante o XI Venture Capital IT

 

 



publicado por Francisco Banha às 17:30
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 4 de Agosto de 2011
Intervenção de Ângelo Nelson de Souza durante o XI VCIT

Intervenção de Ângelo Nelson de Souza, Gestor do Programa COMPETE durante o XI Venture Capital IT.

 

 



publicado por Francisco Banha às 18:54
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 3 de Agosto de 2011
Intervenção de Filomena Pastor durante o XI VCIT

Intervenção de Filomena Pastor, Coodenadora Novos Investimentos da AICEP Capital Global durante o XI Venture Capital IT

 



publicado por Francisco Banha às 18:00
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 2 de Agosto de 2011
Intervenção de Alfredo Antas Teles no XI VCIT

Intervenção de Alfredo Antas Teles, CEO da Caixa Capital no decorrer do XI Venture Capital IT

 

 



publicado por Francisco Banha às 16:45
link do post | comentar | favorito
|

Capital de risco e investimento

Interessante pergunta feita no Quora, "If an angel or venture capitalists invests $1M in your startup and it flops, do you personally owe them $1M?" que conta para já com 2 respostas que valem a pena ler.



publicado por Francisco Banha às 16:43
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 22 de Julho de 2011
Empreendedorismo e Capital de Risco

 Hoje no Semanário Vida Económica o jornalista Marc Barros aborda o tema do Empreendedorismo e do Capital de Risco no âmbito do qual teve a amabilidade de me contactar para recolher a minha opinião sobre aqueles temas e que passo a partilhar convosco.


 
- Criação, em articulação com o sector privado, de uma rede nacional de incubadoras de negócios de nova geração e de um pacote dirigido a start-ups, incluindo crédito de pequeno montante e micro capital de risco;

Em primeiro lugar importa ter presente que a utilização das Incubadoras como um lugar seguro, para quem quer empreender, permite ao empreendedor a obtenção de competências principalmente, em gestão empresarial e na rede de contactos para alavancagem de negócios e fortalecimento da sua credibilidade, com resultados extremamente interessantes como sejam o aumento do ciclo de vida das suas empresas, ampliação da interacção com o sector empresarial, com as Universidades, e na optimização da aplicação de recursos. Ora o Governo ao colocar este tema na agenda económica tem de estar de parabéns pois está a contribuir para a criação de condições favoráveis ao desenvolvimento do empreendedorismo no nosso País.

Contudo mais importante que introduzir novas experiências, por mais mérito que as mesmas tenham, se deve aproveitar e potenciar o conjunto de instrumentos já existentes como por exemplo as Plataformas Finicia- as quais cobrem neste momento o território nacional - que se encontram alicerçadas em micro capital de risco, micro crédito, crédito jovem, e o conjunto de incubadoras e parques tecnológicos já instalados no nosso País e de que a Incubadora do Instituto Pedro Nunes é um excelente exemplo ao ter sido considerada em 2010 a melhor incubadora do mundo na sua área.

Em face da sua importância, entendo que a medida que deveria tomada, essa sim de grande utilidade, deveria ser a criação urgente de um Programa Nacional de Incubadoras que permitisse não só estruturar acções de apoio ás incubadoras e empresas incubadas já existentes, mas, principalmente, a criação de uma base sustentável de crescimento do movimento de Incubadoras assente, designadamente, em novas parcerias (em especial as de carácter Local), em novas fontes de recursos (em especial via Capital de Risco) e, em incentivos fiscais para a actividade de incubação (formas de proporcionar condições e ambientes mais adequados para a instalação de incubadoras).

Este Programa deveria, igualmente, definir um novo modelo de gestão para a Incubação de empresas que permita extrair o melhor aproveitamento possível do instrumento Capital de Risco, uma vez que se entende constituir este um dos mais eficazes para o financiamento de novas empresas, o qual possui objectivos complementares aos das Incubadoras uma vez que ambos tem em conta o desenvolvimento de novas empresas com potencial para atingir o sucesso comercial.

Face ao exposto, afigura-se imperioso que o poder político aumente a oferta de recursos para os Programas de Incubação, quer através da afectação de Fundos de Capital de Risco quer na dotação de fortes Equipas de Gestão das Incubadoras, pois a principal competência destas terá de ser a gestão profissional e a articulação de uma rede de contactos capaz de alavancar negócios para as empresas incubadas, o que, infelizmente, na realidade nem sempre acontece.

Este apoio é tanto mais importante quanto se sabe que o desenvolvimento sustentável decorre, em grande parte, da capacidade de transformar os resultados da ciência em novas tecnologias inovadoras e que esta capacidade tem sido associada cada vez mais à combinação da competência académica com a empresarial sendo o mecanismo, por excelência, mais utilizado para permitir essa simbiose as citadas Incubadoras de base tecnológica e os Parques Tecnológicos.


- Reformulação o capital de risco público, concentrando numa única entidade os vários veículos (Caixa Capital, AICEP Capital e InovCapital);

A reformulação do capital de risco público nomeadamente a concentração numa única entidade é um tema muito sensível e nem sempre analisado da melhor maneira. Recordo a propósito o Programa do primeiro governo do Ex-Primeiro Ministro José Sócrates que contemplava essa medida, as centenas de páginas que se escreveram sobre esse tema e os resultados que depois se vieram a alcançar que acabaram por deixar tudo na mesma ou na minha modesta opinião ainda pior…

Porém não posso deixar de comentar a presente medida a qual tem por detrás fortes critérios economicistas que sinceramente não sei se serão os mais adequados às necessidades da Indústria de Capital de Risco portuguesa e particularmente aos interesses dos empreendedores nacionais.

Num país que detêm um número muito restrito de operadores de capital de risco em actividade e ainda por cima na sua generalidade com um forte foco na actividade de MBO/MBI e Reestruturação de empresas, a consolidação das empresas onde o estado tem maioria accionista numa única entidade poderá vir a ter um efeito indesejado nomeadamente ao nível da procura e em particular dos projectos que se encontram nas fases iniciais do seu desenvolvimento.

Dos actuais três comités de investimento passamos para um comité de investimento ou seja reduzimos as hipóteses de angariação de capital a uma entidade quando ainda por cima as alternativas são quase residuais na área do Venture Capital. Para que se possa ter uma ideia da minha argumentação veja-se que nos anos de 2007 a 2010 as sociedades de capital de risco inscritas na APCRI – Associação Portuguesa de Capital de Risco e Desenvolvimento apenas realizaram um investimento num projecto na fase de capital semente…

Naturalmente que compreendo os argumentos que me apresentam do ponto de vista de economias de escala, racionalidade de recursos e alavancagem de novos fundos porém considero que muito mais importante que esses critérios é a colocação de gestores profissionais com capacidade de introduzir na gestão das empresas de capital de risco, onde o estado tem maioria de capital, critérios de análise dos projectos assentes no perfil dos empreendedores, atractibilidade dos nichos de mercado seleccionados e potencial dos produtos e serviços que são concepcionados com vista a satisfazer as respectivas necessidades, ou seja de “full risk”, em detrimento de critérios políticos, de segurança, de pressupostos da banca de investimento tradicional, ou seja de “Equity Loan”.


- Reavaliação dos benefícios fiscais atribuídos aos business angels, em particular o estudo de um regime fiscal mais favorável e compatível com o Fundo de Co-Investimento.

Tive o privilégio de ser consultado pelo Professor Eduardo Catroga, na fase em que o mesmo se encontrava a elaborar o Programa com que o PSD se apresentou ao eleitorado português, de forma a transmitir as minhas ideias relativamente ao desenvolvimento da actividade de Business Angels no nosso País e foi com agrado que verifiquei que as minhas sugestões foram totalmente adoptadas no citado Programa e consequentemente incorporadas no Programa que o Governo agora apresentou. Penso no entanto que mais importante que a realização do estudo era a implementação imediata de um enquadramento fiscal favorável à actividade dos BA que no mínimo repusesse o que se encontrava contemplado no Orçamento de Estado de 2010 e que infelizmente foi praticamente eliminado no Orçamento de Estado de 2011.


- Um outro tema prende-se com as alterações do regime de caixa do IVA, ou seja, entregar IVA ao Estado apenas depois de cobrada a respectiva factura. Que impacto terá nas empresas, sobretudo start-up's?

No passado dia 30 de Julho de 2010 o Diário da República , I série nº 147, continha a Resolução da Assembleia da República nº 82/2010 que recomendava ao Governo a criação de um regime de exigibilidade de caixa do IVA simplificado e facultativo, destinado às microempresas que não beneficiassem de isenção do imposto. Ao permitir que os sujeitos passivos apliquem uma regra simples, baseada na data de pagamento das suas despesas a montante e das suas operações a jusante, para determinar o momento em que devem, respectivamente, exercer o direito à dedução do IVA e pagar o imposto ao Ministério das Finanças, estamos perante uma medida de simplificação que pode além disso, traz uma vantagem de tesouraria bastante importante numa altura em que um dos principais problemas das start-ups reside precisamente na falta de disponibilidades financeiras dado o ciclo negativo que as mesmas estão a viver com a contracção do crédito bancário.

Assim é com bastante satisfação que verifico a adesão do Governo a esta recomendação da Assembleia da República que dava sequência a uma exigência mais do que justa por parte daqueles que gerem empresas de pequena dimensão mas que representam uma parte significativa do tecido empresarial português.
 



publicado por Francisco Banha às 17:53
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 1 de Julho de 2011
Capital de risco público vai ser concentrado numa única entidade

Noticiava o Jornal de Negócios dia 28 de Junho:

 

«Governo admite rever novamente benefícios fiscais a "business angels".
O Governo vai concentrar o capital de risco público numa única entidade. Segundo o programa do Governo, pretende-se nesta legislatura "reformular o capital de risco público, concentrando numa única entidade os vários veículos (Caixa Capital, Aicep Capital e InovCapital).

Esta era já uma promessa eleitoral do PSD, que, agora, avançará. 

Para atrair capital de risco, o Governo pretende promover empresas e produtos portugueses com a Chancela Portugal Excellence junto de investidores internacionais, bem como criar um fórum digital para apresentação de planos de negócio a potenciais investidores nacionais e internacionais. Também se pretende criar, em articulação do sector privado, uma rede nacional de incubadoras de negócios e um pacote dirigido a "start-ups", incluindo crédito de pequeno montante e micro capital de risco.

Por fim, neste capítulo de apoio ao capital de risco, o Governo admite reavaliar os benefícios fiscais aos "business angels" que foram revistos no último orçamento do Estado e que foi criticado por estes investidores individuais.»


publicado por Francisco Banha às 14:12
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 24 de Junho de 2011
Newsletter n.67 do Grupo Gesbanha

 

Newsletter n.67 do Grupo Gesbanha com especial destaque para o Venture Capital IT que irá decorrer nos próximos dias 28 e 29 de Junho.

Faltam apenas 3 dias, por isso não deixe de se inscrever neste importante evento internacional.

Destaque ainda para o artigo "PSI 20 e o Corporate Venture", uma entrevista sob o tema "Estratégias para os empreendedores" e um trabalho de Alexandra Machado do Jornal de Negócios.



publicado por Francisco Banha às 19:00
link do post | comentar | favorito
|

Governo novo, empresas novas?

 

fonte: jornaldenegocios.pt 22/06/2011

 

Que medidas irá o novo Governo, liderado por Pedro Passos Coelho, mas que resulta da coligação do PSD e CDS, estabelecer para a criação de novas empresas e incentivar o empreendedorismo? O tempo o dirá. Mas os programas eleitorais os dois partidos já revelam a sua intenção. O capital de risco vai mudar.

 

Governo Pedro Passos Coelho e Paulo Portas fecharam acordo para governarem em conjunto. E nesse acordo está prometido o reforço da inovação e do empreendedorismo.



O PSD e o CDS vão ter de acordar um programa de Governo conjunto. O que se poderá esperar das políticas para a promoção do empreendedorismo? Lendo os programas eleitorais dos dois partidos há já alguns traços comuns, ainda que o PSD tenha sido mais pormenorizado no que tenciona fazer. 

O PSD fala, nesse seu programa de mais de 120 páginas, de desenvolver um plano integração de inovação e empreendedorismo, que passa por atrair capital de risco inicial e de desenvolvimento junto de instituições nacionais e internacionais. O que poderá ser feito através da criação de um fórum para apresentação de ideias de negócio a potenciais investidores, mas também através de uma rede nacional público-privada de incubadoras de negócios. E pretende-se "aproximar definitivamente as universidades e a comunidade empresarial". Neste campo, o PSD propõe-se criar incentivos para quadros e investigadores estrangeiros. Mas o empreendedorismo deve estar presente no curriculum escolar. Aliás, há vários municípios que introduziram o empreendedorismo na escola. Agora, o PSD fala em "introduzir no plano curricular disciplinas e métodos de ensino que promovam a criatividade e o empreendedorismo e, no caso específico de licenciaturas de engenharias e ciências, instituir a disciplina obrigatória de empreendedorismo". 

Revisão do capital de risco 
Em concreto, o PSD propõe-se reformular o capital de risco público, agregando numa única entidade os vários veículos que hoje existem. Além de querer reforçar os fundos e atrair novos investidores. 

Já o CDS diz que se deve clarificar ideias sobre o capital de risco, "supervisionado com competência, sendo possível a associação de bancos nacionais, e grupos económicos num mesmo veículo (gerido por gestores independentes de experiência comprovada) que possa servir de alavanca para projectos ou empresas com elevado potencial de valorização, criação de riqueza, inovação e emprego". Um ponto onde os dois partidos parecem estar de acordo. 

Relação com o Estado 
Além de promover a utilização mais eficiente do capital de risco, o partido que ontem foi empossado Governo diz pretender promover a criação de novas empresas, aproveitando os fundos comunitários, dinamizando o capital de risco, os "business angels" e o micro-crédito, mas também assegurando o pagamento das dívidas do Estado. Também neste campo, o CDS diz ser premente "melhorar os prazos de pagamento do Estado", já que isso permite "pôr dinheiro a circular na economia". No financiamento das empresas, o CDS fala na dinamização dos mercados bolsistas alternativos. 

Nesta relação com o Estado, o PSD quer utilizar os procedimentos de compras públicos para promover a inovação, "alocando uma parcela dos orçamentos públicos e dos processos de contratação ao estímulo de novas soluções que garantam, a prazo, processos mais eficientes e eficazes". Ao mesmo tempo que fala em impulsionar a compra de soluções e serviços inovadores por parte das grandes empresas portuguesas. A colaboração entre grandes empresas e micro e PME não se fica por aqui, já que os sociais-democratas querem ver mais cooperação entre as grandes e as pequenas na internacionalização e na partilha de capital intelectual. 

Além das políticas específicas de apoio ao empreendedorismo, os programas do PSD e CDS falam de outras medidas que terão impacto na vida das empresas, em particular nas PME (Pequenas e Médias Empresas). Ambos querem incentivar as exportadores e, por isso, falam em incentivos, inclusive fiscais, de apoio às empresas exportadoras. O que pode levar a algumas alterações nas estruturas de promoção externa. E aí PSD e CDS terão de se entender sobre o ministério que ficará com esta responsabilidade. O PSD tem na Economia o seu veículo de promoção internacional, o CDS tem nos Negócios Estrangeiros. Outras medidas com impacto na vida das empresas tem a ver com as questões fiscais, prometendo ambos os partidos racionalização e estabilidade na fiscalidade.




Ministro defende flexibilização

O novo ministro da Economia, Álvaro Santos Pereira, tinha já revelado, no livro "Portugal na Hora da Verdade", algumas ideias para fomentar o empreendedorismo. E algumas não andarão longe do que o PSD, pelo menos, pretende. 

"Se queremos que a economia nacional se torne mais produtiva e criativa, não temos de procurar muito para percebermos onde devemos começar: o empreendedorismo dos portugueses e a iniciativa privada". Santos Pereira começa assim o capítulo onde dá algumas receitas para promover o empreendedorismo, que, em Portugal, é baixo. Pouco mais de 4% da população activa em Portugal participa em actividades empreendedoras. A média da OCDE é de 6%. 

Nas medidas propostas por Álvaro Santos Pereira, ainda sem o chapéu de ministro, passam pelo reforço da oferta de capital de risco, incentivando as instituições financeiras a contribuírem com mais capital, em particular na fase de desenvolvimento das empresas. O que pode ser feito através da política fiscal "de forma a fomentar uma maior atracção dos chamados 'business angels', do capital de risco e de novas linhas de crédito para as empresas criadas há menos de cinco anos". Lembre-se a propósito que o regime fiscal favorável aos "business angels" foi alterado no último Orçamento do Estado, o que, para os investidores particulares, tornou o benefício fiscal ineficaz na captação de novos agentes. Ainda no campo fiscal, Santos Pereira considera que a fiscalidade deveria fornecer mais incentivos nos primeiros cinco anos de vida das empresas, aconselhando-se para essas entidades taxas de IRC mais reduzidas e menores taxas sociais únicas. A redução desta contribuição social, na parte do empregador, vai mesmo ser uma realidade. O acordo com a troika definiu e o PSD já assumiu que irá reduzir 4% da taxa social única paga pelo empregador durante a legislatura. 

Para que as empresas não morram, antes de chegar à fase de cruzeiro, com falta de financiamento, Santos Pereira acredita que devem ser promovidos incentivos para que haja um maior recurso ao mercado de acções e obrigações. 

Uma outra grande medida de incentivo ao empreendedorismo, sugeriu em Abril deste ano o que acabaria por assumir a pasta da Economia e Emprego, será a flexibilização laboral para as novas empresas. Se não fora possível abrir esta flexibilização a todo o sector empresarial, então poderá pensar-se, assumiu, num regime de excepção na contratação laboral para as novas empresas. No programa do CDS fala-se, também, de aligeirar o Código de Trabalho para as PME.


publicado por Francisco Banha às 08:32
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 17 de Junho de 2011
Venture Capital IT

Já só faltam 10 dias para o Venture Capital IT!

Não deixe de reservar o seu lugar neste evento que reúne especialistas internacionais na temática do capital de risco, numa altura em que assistimos, não só em Portugal como em toda a Europa a um aumento significativo dos fundos disponíveis para investimentos nas fases early stage.

Deixo-lhe a intervenção de Luís Rasquilha, CEO da AYR Consulting durante o VCIT do ano passado.

Convido-o ainda a ver as outras intervenções do VCIT 2010 em http://www.gesventure.pt/vcit2010/intervencoes.htm.

 

 

 



publicado por Francisco Banha às 17:52
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 3 de Junho de 2011
Programa do Venture Capital IT

Na sequência de posts anteriores sobre o próximo Venture Capital IT (dias 28 e 29 de Junho), deixo-lhe aqui os temas que serão debatidos ao longo dos 2 dias do Congresso.

TENDÊNCIAS

- O mercado Europeu de investimento
- O exemplo Turco
- Empreendedorismo Universitário
- Comportamento do Consumidor
- e-Governo
- Case Study de um processo Empreendedor


EMPREENDEDORISMO

- Antídoto contra a crise
- IAPMEI e o Portugal Empreendedor
- Cidades Empreendedoras
- Escolas Empreendedoras dos Açores
- Empreendedores convidados


BUSINESS ANGELS & EARLY STAGE

- Business Angels na Europa (França, Espanha, Itália e Turquia)
- Critical Ventures
- Evolução dos Fundos de BA na Europa
- O Exit no Venture Capital


PRIVATE EQUITY

- O exemplo da InterRisco
- O mercado Americano de Private Equity

Pode obter mais informações no site do VCIT.





publicado por Francisco Banha às 18:03
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
Emerging Companies

Contacte-me directamente ou adicione-me à sua rede de contactos do Linked In através do seguinte e-mail: fbanha@gesbanha.pt

Google Adwords
Grupo Gesbanha



 


 


 


 


 


pesquisar
 
Artigos de Opinião

Registe-se e tenha acesso aos meus artigos


Últimos Artigos

- Portugal 2020: Empreendedorismo e Capital de Risco
- Os Business Angels em Portugal
- Como trazer um Business Angel para seu parceiro de negócio

Livros Recomendados

"Capital de Risco - Os Tempos estão a Mudar"
de Francisco Banha
 

"Mobile Advertising" de Chetan Sharma, Victor Melfi, Joe Herzog
 

"Edison On Innovation"
de Alan Axelrod
 

"Twitter Power 2.0"
de Joel Comm
 

"201 Errores En La Valoracion De Empresas"
de Pablo Fernandez
Novembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
12

13
15
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


posts recentes

Portugal 2020: Empreended...

Intervenção de Rui Pedro ...

Intervenção de Rita Anunc...

Intervenção de João Crisp...

Newsletter n.69 do Grupo ...

Intervenção de Paulo Veig...

Intervenção de Ricardo Câ...

Intervenção de Paulo Andr...

Intervenção de Rita Seabr...

Intervenção de Mark de la...

Intervenção de Ângelo Nel...

Intervenção de Filomena P...

Intervenção de Alfredo An...

Capital de risco e invest...

Empreendedorismo e Capita...

Capital de risco público ...

Newsletter n.67 do Grupo ...

Governo novo, empresas no...

Venture Capital IT

Programa do Venture Capit...

arquivos
tags

todas as tags

Blogs Recomendados

- Portal do Empreendedorismo no Desporto
- Antonuco
- iZNovidade
- Start-Up Whisperer
- Seth Godin
- Venas Inside
- No Fio da Navalha

Visitas

Free Blog Counter

subscrever feeds